Back

Alta performance com dieta baseada em plantas

Dieta a baseada em platas para atleta de alta performance

A pergunta que os atletas que segue dieta baseada em plantas recebe é a suposição de que os alimentos de origem animal são a única fonte de proteína, isso é um equívoco, mas infelizmente muitas pessoas têm essa visão por falta de informação.

Na verdade:

  • Uma porção de brócolis cozido ou espinafre tem tanta proteína como um ovo médio (6 gramas)
  • Espirulina (alga azul-esverdeada) é o alimento mais denso em proteínas do planeta
  • 3 colheres de sopa de sementes de cânhamo têm proteína igual a 12 xícara de iogurte grego (10 gramas), além de 6 gramas de ácidos graxos ômega 3

Nos Estados Unidos, a recomendação diária de proteína (RDA) é 0,8 gramas por quilograma de peso corporal. Porém, esta recomendação destina-se a simplesmente manter funções corporais básicas, a ingestão diária de proteínas deve ser maior para a maioria das pessoas. Pesquisas mostram que os atletas de alta performance deve ingerir aproximadamente 50% mais proteína do que pessoas sedentárias - 1.2 - 2.0/kg de proteína diariamente - dependendo da fase de treinamento, dependendo de peso, dieta, gênero e idade.

Proteína vegetal

Aminoácidos são os blocos de construção da proteína. Dos 20 aminoácidos, seu organismo é capaz de produzir 11 deles - eles são conhecidos como aminoácidos não essenciais. Os outros 9 são denominados aminoácidos essenciais - eles não são produzidos pelo organismo e devem ser ingeridos através de alimentos.

Alimentos de origem animal (carne, laticínios e ovos) contêm aminoácidos essenciais em quantidades aproximadamente iguais. Alimentos vegetais como quinoa, trigo-sarraceno, espirulina, soja, chia, grão-de-bico e pães também contêm os 9, mas a maioria dos alimentos vegetais tem ausência de pelo menos um aminoácido essencial. Mas não precisamos de todos os aminoácidos em cada mordida de alimentos, alcançar e manter a síntese de proteína do corpo requer uma dieta que inclui uma variedade de proteínas vegetais, incluindo grãos integrais, legumes, nozes, sementes e legumes.

A lisina (fórmula C6H14N2O2) é o único aminoácido essencial que é difícil de obter em uma dieta vegana, porque as plantas contêm quantidade muito baixa. Lisina é um precursor da carnitina (fórmula C7H15NO3), molécula-chave na oxidação beta (a conversão de ácidos graxos em energia). Carnitina auxilia remover toxinas do músculo, reduz o colesterol, e ajuda na produção de colágeno - principal proteína estrutural do corpo encontrada no osso, cartilagem, tendões, ligamentos e pele.

Dieta mista que inclui carne, ovos e/ou laticínios fornece 60 - 180mg por dia de carnitina, enquanto dieta vegana fornece 10 - 12mg. Por esses motivos atletas com dietas a base de plantas (veganos) deve ingerir proteína vegetal com grandes fontes de lisina. Os alimentos mais ricos em Lisina incluem tempeh, lentilhas, tofu germinado, amaranto, quinoa, pistache, grão-de-bico e sementes de abóbora.

Proteína e Performance

Pessoas pode se safar com uma dieta vegana abaixo do ideal; no entanto, o aumento do volume de treino e corrida pode levar a má performance, recuperação e saúde para atletas vegano.

Alguns riscos:

  • Falta de açúcar no sangue, as fontes de proteína vegetal contém mais carboidratos e menos gordura, comparada com proteínas animais. Isso pode resultar em ineficiência metabólica e diminuição da capacidade de usar gordura como energia, além de menos saciedade e aumento no desejo de açúcar.
  • Baixa disponibilidade de energia (EA), devido à alta ingestão de fibras, reduz a absorção de calorias e nutrientes. A EA é a quantidade de energia deixada para funções corporais básicas após o gasto energético do exercício ser subtraído da ingestão de energia. Baixo EA pode prejudicar a densidade mineral óssea (BMD), função hormonal, imunidade e função menstrual, entre outros problemas de saúde.
  • Deficiências de micronutrientes, incluindo ferro, zinco, vitamina B12, ácidos graxos ômega-3 (EPA/DHA), cálcio e vitamina D. Isto é devido à exclusão das principais fontes de nutrientes e diminuição da absorção devido à alta carga de fibras.
  • Má recuperação, devido à remoção de alimentos com alto teor de leucina (presentes nos alimentos lácteos). Leucine é um aminoácido de cadeia ramificada e é fundamental para a recuperação muscular. Atletas (especialmente mulheres) devem obter 3 gramas de leucina a cada 30 minutos de exercício intenso ou longos.
  • Diarreia (intestino funcionando mais que o normal), especialmente durante a execução de exercício, relacionada à ingestão de grande volume de fibras.
  • Atletas que seguem dieta à base de plantas deve ter acompanhamento regular com nutricionista esportivo.

Um dia com dieta à base de plantas

Plano de refeição a seguir fornece uma variedade de proteínas vegetais ricas em lisina e combinam alimentos ricos em zinco e ferro com vitamina C e atende a exigência diária de vitamina B12, cálcio e ômega-3.

  • Café da manhã (pré-treino): Aveia ou quinoa com sementes de abóbora e pistache, melaço (para ferro) e bagas (para vitamina C). Adicione leite de nozes (alta proteína), pó de proteína vegetal para proteína extra (ervilha, arroz, chia, amêndoas, amendoim, cânhamo).
  • Lanche pós-treino: pudim de chia ou smoothie com proteína em pó de alta leucina e frutas.
  • Almoço: Uma salada saudável com folhas verdes (couve, espinafre ou couve para ferro e cálcio), abundância de legumes (beterraba para nitratos, pimentas para vitamina C), grão de bico e tempeh orgânico, abacate (para gorduras ômega-3) e levedura nutricional (para vitamina B12).
  • Lanche: pão integral ou legumes em palito com hummus; ou maçã, banana, ou pão integral com manteiga de nozes e sementes de cânhamo.
  • Jantar: Feijão ou lentilha com pimentão, tomates e batata-doce. Couves de Bruxelas assadas ou brócolis (proteína extra mais cálcio e vitamina C).

Referências:

  1. Wooding DJ, Packer JE, Kato H, West DWD, Courtney-Martin G, Pencharz, PB, Moore DR. Increased protein requirements in female athletes after variable-intensity exercise. Med Sci Sports Exer. 2017;49(11):2297-2304.
  2. Thomas DT, Erdman KA, Burke LM. Position of the Academy of Nutrition and Dietetics, Dietitians of Canada, and the American College of Sports Medicine: nutrition and athletic performance. J Acad Nutr Diet. 2016;116(3):501-28.
  3. Rebouche CJ. Carnitine. In: Shils ME, Olson JA, Shike M, Ross AC (eds). Modern Nutrition in Health and Disease, 9th Edition. Lippincott Williams & Wilkins, New York, 1999, pp.505-12.
  4. Fuhrman J and Ferreri DM. Fueling the vegetarian (vegan) athlete. Curr Sports Med Rep. 2010;9(4):233-41.
  5. Heidi Strickler, RD, CSSD, METS I, ISAK I is a Registered Sports Dietitian with eNRG Performance. An avid endurance athlete, triathlete, and ultra-runner herself, she has a passion for providing nutrition coaching to endurance athletes. She also specializes in plant-based nutrition, female physiology, and collegiate athlete nutrition. In July, she will graduate with a Master’s degree in Sports Nutrition from Liverpool John Moores University in England, United Kingdom. Find out more about Heidi at enrgperformance.com.
  6. The Game Changers
  7. What The Health
comments powered by Disqus